Sobre o Estudo

Estudo e Educação da Mediunidade – EEM

O que é o EEM?

É o estudo teórico, regular e sequencial para educar a prática da mediunidade fundamentado nas obras da Codificação e nas complementares a esta, seguindo as diretrizes morais e doutrinárias definidas, respectivamente, por Jesus e por Allan Kardec.

Objetivos:

Formação de trabalhadores da mediunidade conscientes, esclarecidos, responsáveis e fraternos, capazes de exercer atividade mediúnica com simplicidade, segurança e amor ao próximo, isenta de distorções, misticismos ou comportamentos exóticos à Doutrina Espírita.

Como é o estudo e quem pode participar?

É uma reunião privativa cujos integrantes, previamente inscritos, foram preparados com conhecimento básico, moral e doutrinário, sobre a mediunidade.

A inscrição e a participação no estudo têm como pré-requisito a conclusão do Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita – ESDE, que segue as orientações da Federação Espírita Brasileira.

Qual a importância de se estudar a mediunidade?

A esse respeito, elucida Allan Kardec na introdução de O Livro dos Médiuns:

[…]. Se bem cada um traga em si o gérmen das qualidades necessárias para se tornar médium, tais qualidades existem em graus muito diferentes e o seu desenvolvimento depende de causas que a ninguém é dado conseguir se verifiquem à vontade.
As regras da poesia, da pintura e da música não fazem que se tornem poetas, pintores, ou músicos os que não têm o gênio de alguma dessas artes. Apenas guiam os que as cultivam, no emprego de suas faculdades naturais. O mesmo sucede com o nosso trabalho. Seu objetivo consiste em indicar os meios de desenvolvimento da faculdade mediúnica, tanto quanto o permitam as disposições de cada um, e, sobretudo, dirigir-lhe o emprego de modo útil, quando ela exista. […]

[…] A essas considerações ainda aditaremos outra, muito importante: a má impressão que produzem nos novatos as experiências levianamente feitas e sem conhecimento de causa, experiências que apresentam o inconveniente de gerar ideias falsas acerca do mundo dos Espíritos e de dar azo à zombaria e a uma crítica quase sempre fundada. De tais reuniões, os incrédulos raramente saem convertidos e dispostos a reconhecer que no Espiritismo haja alguma coisa de sério.

Para a opinião errônea de grande número de pessoas, muito mais do que se pensa têm contribuído a ignorância e a leviandade de vários médiuns. Desde alguns anos, o Espiritismo há realizado grandes progressos: imensos, porém, são os que conseguiu realizar, a partir do momento em que tomou rumo filosófico, porque entrou a ser apreciado pela gente instruída. Presentemente, já não é um espetáculo: é uma doutrina de que não mais riem os que zombavam das mesas girantes. Esforçando-nos por levá-lo para esse terreno e por mantê-lo aí, nutrimos a convicção de que lhe granjeamos mais adeptos úteis, do que provocando a torto e a direito manifestações que se prestariam a abusos.

Veja o programa das aulas.